Menu

Análise – Death’s Door

O indie que fez o furor ao chegar às consolas Xbox e PC este verão, chegou agora à PlayStation 4, PlayStation 5 e Nintendo Switch.
Death’s Door é um jogo de ação e aventura, muito semelhante a títulos clássicos da franquia The Legend of Zelda, principalmente naquilo que diz respeito à arte e ao 3D isométrico, e também semelhante a jogos com Demon’s Souls e Dark Souls devido à clássica dificuldade destes jogos, podendo assim categorizá-lo como um soulslike.

Em Death’s Door somos um corvo, Crow, que é um ceifador de almas. Crow trabalha na Sede da Comité dos Ceifadores, quando chegamos pela primeira vez à sala das portas é-nos atribuída uma missão para ceifar uma alma gigante. A nossa porta abre-se e a nossa alma designada leva-nos a uma boss fight. Quando derrotamos o boss, um corvo grande surge e rouba a nossa alma, fazendo com que a nossa porta permaneça aberta. Ao encontrarmos um corvo velho ele diz que temos de concluir três dungeons e recolher as almas gigantes para abrir a Death’s Door.

No princípio do jogo a dificuldade é bastante amigável, conseguimos avançar tranquilamente pela primeira dungeon que termina com uma boss fight. A dificuldade vai aumentando progressivamente conforme vamos avançando na história, mas é quando começamos a chegar perto do final da segunda dungeon que sentimos que o jogo ficou mesmo difícil.
Começamos apenas com uma espada e com o nosso arco e flecha, mas ao longo do jogo vamos desbloqueando novas armas e habilidades mágicas que nos permitem desbloquear caminhos e ajudar na nossa demanda.

Existem bastantes tipos de inimigos e cada dungeon tem o seu próprio leque. Cada um tem o seu padrão de ataque e a sua própria forma de ser derrotado. Sempre que morremos recomeçamos com a vida completa desde a última porta que abrimos, e por vezes a distância entre cada porta é demasiado grande. Fechaduras vermelhas vão surgindo ao longo do jogo, ao abrirmos essas fechaduras surgem as portas que nos levam de volta à comité e servem de checkpoint ao nosso progresso, restaurando também a nossa saúde. Outra forma que temos de restaurar a saúde é através de sementes que vamos encontrando e podemos plantar em vasos espalhados pelo mapa, que consumimos uma vez e tanto a semente como o vaso ficam inutilizáveis.

O indie que fez o furor ao chegar às consolas Xbox e PC este verão, chegou agora à PlayStation 4, PlayStation 5 e Nintendo Switch. Death’s Door é um jogo de ação e aventura, muito semelhante a títulos clássicos da franquia The Legend of Zelda, principalmente naquilo que diz respeito…

Death's Door (PS5)

História - 90%
Jogabilidade - 98%
Gráficos - 93%
Banda Sonora - 89%
Longevidade - 86%

91%

Muito Bom

Death’s Door traz uma nova experiência soulslike, com uma dificuldade ligeiramente mais equilibrada que os clássicos títulos souls, uma história interessante e inspirações em títulos clássicos que se fazem sentir ao longo de todo o jogo. Batalhas contra bosses, sub bosses e hordas de inimigos, todos com uma dificuldade que vai subindo de forma progressiva, vão garantir a diversão e também serão um verdadeiro desafio às vossas skills de gamer.

User Rating: Be the first one !
Nicole Concha
Latest posts by Nicole Concha (see all)

Sem Comentários

Deixe uma resposta

Junta-te a nós no facebook

Segue-nos no Instagram

This error message is only visible to WordPress admins

Error: API requests are being delayed for this account. New posts will not be retrieved.

Log in as an administrator and view the Instagram Feed settings page for more details.

Vídeo em destaque

MOSH BITAITES

Próximos Lançamentos