Menu

Análise – Pokémon Mystery Dungeon Rescue Team DX

Esta análise foi elaborada pelo nosso colaborador André Silvestre

Pokémon Mystery Dungeon Rescue Team DX, desenvolvido pela Spike Chunsoft e editado pela Nintendo, é um remake dos jogos Pokémon Mystery Dungeon Red/Blue Rescue Team para o GBA/Nintendo DS, e o primeiro título da série a chegar à Nintendo Switch. Já o nome Mystery Dungeon é também o seu próprio género, funcionalmente muito semelhante ao roguelike, cruzando um dungeon crawler com um RPG tático.

Este jogo divide-se em duas partes, a história principal e o post-game.

A história principal inicia-se num mundo misterioso, uma ponte entre o mundo dos humanos e o dos Pokémon, e lá temos que responder a um curto teste de personalidade antes de avançar. As respostas a estas questões levam o jogo a decidir qual Pokémon somos de uma pequena lista incluindo os famosos starters, e para além destes estarão disponíveis mais tarde todos os Pokémon desde a primeira geração à terceira. Aqui, ao contrário do jogo original, podemos recusar a escolha do jogo e escolher qualquer outro Pokémon da lista. Em seguida também iremos escolher um parceiro que irá connosco para as missões.

O protagonista acorda transformado num Pokémon sem quaisquer memórias da sua vida anterior, o que em RPGs é um cliché bastante comum. Aí conhece o seu parceiro e por via das circunstâncias vêem-se obrigados a partir numa missão de salvamento que serve também de tutorial ao jogo. Por fim acabam por formar uma equipa de resgate cujo objetivo é ajudar e salvar Pokémon em apuros. A história deste jogo passa então pela iniciação desta equipa de resgate e as suas várias aventuras. As personagens da história têm uma caracterização simples dando um tom algo infantil à história. No entanto não deixa de ser cativante seguir as aventuras e infortúnios que a equipa enfrenta.

Para quem nunca jogou o original, eis o conceito deste jogo. A cada dia no jogo partimos em aventura para uma dungeon. Antes disso, sequer, temos à nossa disposição na Pokémon Square (a cidade do jogo) várias instalações e lojas que nos permitem comprar ou armazenar itens, rever ataques dos aliados, ver a lista de missões disponíveis e decidir quem vai na aventura e para onde. Algumas destas funções neste remake podem até ser revistas imediatamente antes da aventura, tornado este processo um pouco mais rápido se assim o quisermos.

Uma vez na dungeon controlamos manualmente o Pokémon “líder” enquanto os companheiros agem de acordo com a táctica que escolhermos. O jogo decorre em turnos rápidos, e em cada turno podemos mover, utilizar um ataque ou um item, ou esperar. Uma pequena novidade é que o lider pode ser agora alternado desde o princípio do jogo enquanto que no original isto apenas era possível depois de concluída a história principal.

No post-game é onde encontramos a maior parte do conteúdo que o jogo oferece, com dungeons bastante mais difíceis e desafiantes e inimigos mais fortes incluíndo Pokémon lendários que só podem ser recrutados aqui. Existem curtos arcos de história mas o foco está na exploração livre e jogabilidade.

Para quem jogou o original será possível revisitar o mundo de Mystery Dungeon Red e Blue tal qual se lembram dele, em grande parte. Este remake faz um excelente trabalho de reproduzir o ambiente do jogo original com gráficos 3D, transitando assim do mundo de sprites 2D. É de referir que os títulos da Nintendo 3DS já tinham dado este salto, portanto é uma inovação face ao jogo original - os Pokémon, o centro da cidade e as dungeons estão agora modelados em 3D. Desta vez a Spike Chunsoft decidiu dar um aspecto de sketch-book ao jogo, talvez para dar a entender que é uma história a ser contada, utilizando um filtro gráfico para o efeito, o que é uma pequena inovação na série. Esta escolha tem tanto de positivo como negativo - os cenários ficam muito vivos e coloridos mas os Pokémon em si ficam por vezes ligeiramente desfocados. Infelizmente há alturas em que estes desfocos são mais evidentes e dão um aspeto de menor qualidade ao jogo, algo que seria de evitar numa consola como a Switch.

Importa referir que este remake aparece cinco gerações depois do jogo original e traz várias alterações e melhorias de jogabilidade. Porém, não traz muitas novidades propriamente ditas à série. Grande parte das novidades relativamente ao original já existiam nos títulos da Nintendo 3DS. A jogabilidade agora é mais semelhante à desses jogos.

As maiores novidades são os Rescue Camps, as Rare Qualities e o Auto Mode. Os Rescue Camps substituem as Friend Areas no sentido em que agora são apenas menus - já não é possível navegar pelas zonas onde os Pokémon aliados vivem. Isto dá acessibilidade mais rápida aos acampamentos mas por outro lado perde-se alguma imersão no jogo, já que os aliados são apenas opções num menu e não os podemos ver no seu habitat. As Rare Qualities conferem um efeito passivo que se estende a toda a equipa e cada Pokémon pode ter no máximo uma. Estas vêm completamente substituir os antigos IQ Skills. Por fim, o Auto Mode delega o controlo ao jogo apenas para explorar automaticamente e nunca para combater. Esta funcionalidade é opcional mas poderá por vezes agilizar a exploração.

A maior alteração à partida é a remoção do ataque de tipo neutro. Agora somos obrigados a escolher de entre os quatros ataques que os Pokémon podem aprender e os aliados já não recebem experiência bónus por isso. Em contrapartida, há uma maior abundância de itens para recuperar os PP (Power Points) que contam o número de vezes que podemos utilizar cada ataque. Além disso, as stats ofensivas e defensivas são um pouco mais baixas por nível.

Entre as novidades importadas dos jogos mais recentes estão a inclusão de evoluções que só apareceram depois da 3ª geração, mega evoluções, formas primal de Groudon e Kyogre, e vários itens novos ou com efeitos modificados. As mega evoluções agora podem durar até ao fim de uma aventura e são ativadas com um item que podemos levar para qualquer lado, dando assim mais flexibilidade do que antes. Uma mecânica que felizmente não regressa do título Super Mystery Dungeon são as emeras e looplets que promoviam a exploração exaustiva.

O Makuhita Dojo, uma antiga instalação da Pokémon Square, regressa agora mas com a funcionalidade de facilitar a subida de níveis. A custo de um bilhete semi-raro é-nos permitido entrar numa dungeon especial com um único Pokémon em que cada inimigo dá várias vezes mais experiência do que é habitual. Quem quiser facilitar as missões da história principal ou jogar para além dela sem dúvida que vai recorrer ao dojo. Caso contrário, poderá ser difícil ganhar experiência apenas nas dungeons já que os inimigos dão menos experiência. Por outro lado a experiência adquirida em dungeons normais é partilhada até com os Pokémon que ficaram nos acampamentos, algo que não era possível no original.

O recrutamento de Pokémon também está de volta já que foi deixado de parte em Super Mystery Dungeon. É agora possível recrutar qualquer Pokémon numa dungeon para se juntar à equipa temporariamente. Apenas se juntam permanentemente à equipa se concluirmos a aventura com sucesso e se tivermos acesso ao respetivo acampamento. Estes recrutas têm o inconveniente de não poderem ser controlados de todo, mas oferecem ajuda valiosa durante a aventura e em especial contra bosses. Uma pequena novidade aqui é a possibilidade de encontrar e recrutar Pokémon shiny - apenas disponível para um pequeno conjunto de Pokémon.

Uma mecânica que não regressou por inteiro é o Wonder Mail Code. Antigamente era possível partilhar uma infinidade de missões com outros jogadores através dos Wonder Mail Codes gerados pelo próprio jogo. Em vez disso agora existe uma curta lista de códigos hard-coded com a mesma designação que também podem ser trocados por missões e presentes. Apesar do nome igual a essência não é a mesma.

No geral, a jogabilidade vê bastantes melhoramentos. As novidades e alterações pretendem favorecer a formação de uma equipa completa e encorajar um pouco mais de estratégia na escolha de ataques. O combate é bastante bom e combina muito bem o vasto leque de ataques do mundo Pokémon com o género Mystery Dungeon. Os maiores pontos negativos estão no desequilíbrio entre poderes e itens demasiado fortes (especialmente no post-game), a fraca usabilidade de alguns controlos que por vezes dificultam a navegação e uma interface um pouco caótica.

Quanto à banda sonora do jogo não há muito a dizer. Se há algo que brilhou bastante no jogo original foi a banda sonora que sempre fez um bom trabalho a criar o ambiente de jogo quer nas dungeons quer na cidade. A mesma música está de regresso com bastante melhor qualidade e algumas dungeons do post game têm músicas dos títulos mais recentes.

Este jogo conta com cerca de 20h de jogo na história principal e muitas mais horas no post-game, tendo em conta que lá as dungeons são bastante mais difíceis e há centenas de Pokémon para colecionar. A exploração pode ser um tanto maçuda e prolongada. Mais uma novidade neste jogo é a gravação automática que salva o jogo após cada turno - portanto podemos interromper e continuar literalmente em qualquer sítio.

Outra componente que volta neste título são os resgates de jogadores. Quando somos derrotados numa dungeon perdemos todos os itens e dinheiro no inventário, ou podemos pedir socorro a outro jogador enviando um código de resgate. Estes códigos podem ser partilhados online através do próprio jogo, ou diretamente com amigos, ativando uma missão de resgate. Tal como na Nintendo 3DS também podemos resgatar a nossa própria equipa se tivermos Pokémon acampados. Há o inconveniente de não podermos continuar a aventura até sermos salvos. 

Nota final

 

Convém referir que o demo faz um mau trabalho em mostrar o que o jogo completo tem para oferecer, já que não demonstra as características mais importantes como Camps e Qualities. Mesmo para quem jogou títulos anteriores deixa muito a desejar.

Esta entrada na série Mystery Dungeon é um remake bem conseguido. O ambiente do jogo original ficou bem conservado mesmo com a transição para 3D e com a banda sonora melhorada. A jogabilidade em si é bastante semelhante e traz de volta mecânicas favoritas como o recrutamento e os acampamentos de aliados, e ainda junta vários melhoramentos introduzidos nos títulos mais recentes como itens, evoluções e novos controlos, além de novidades como as Rare Qualities, Auto Mode e shinies. Apesar disso não resolve alguns problemas da série, como a falta de equilíbrio em certas mecânicas de combate, interfaces cansativas, entre outras coisas. É um jogo que pode ser repetitivo para alguns e bastante viciante e divertido para outros. Se nunca jogaram um jogo Mystery Dungeon esta pode ser uma boa oportunidade para experimentar.

 

Esta análise foi elaborada pelo nosso colaborador André Silvestre

Review Overview

Esta análise foi elaborada pelo nosso colaborador André Silvestre Pokémon Mystery Dungeon Rescue Team DX, desenvolvido pela Spike Chunsoft e editado pela Nintendo, é um remake dos jogos Pokémon Mystery Dungeon Red/Blue Rescue Team para o GBA/Nintendo DS, e o primeiro título da série a chegar à Nintendo Switch. Já…

Pokémon Mystery Dungeon Rescue Team DX

Jogabilidade - 69%
Gráficos - 80%
Sons/Banda Sonora - 88%
Longevidade - 77%

79%

Bom

Dungeon crawler de Pokémon alegre com jogabilidade interessante e viciante. Controlos e interface por vezes cansativos e algum desequilíbrio entre mecânicas do jogo.

User Rating: Be the first one !

Sem Comentários

Deixe uma resposta

Recebe todas as novidades do mundo gaming diretamente no teu E-mail

Junta-te a nós no facebook

Segue-nos no Instagram

  • Análise em breve no website!
Obrigado @playstationpt
.
.
.
.
.
.
.
#GhostOfTsushima #Playstation #Sony
#Gaming #Geek

Vídeo em destaque

Próximos Lançamentos

ROBLOX – Jogos de Aventuras Brutais