Menu

Análise – Samurai Shodown (2019)

Do nada, a SNK anunciou recentemente um novo título Samurai Shodown, ou Samurai Spirits no território asiático, que pretende reiniciar a série. Ultimamente, apenas alguns títulos de jogos de luta têm rendido adequadamente, e apesar de Samurai Shodown ser um título conhecido por parte de alguns veteranos da NEO GEO, ou apenas fieis seguidores da SNK, não sei até que ponto este jogo será lucrável, mas tendo em conta o maior evento de jogos de luta do mundo, parece estar minimamente bem.

De forma a tentar ser o mais honesto possível, o jogo não aprece ter sido feito à pressa, mas parece que não teve o mesmo orçamento que muitos outros jogos da SNK, nomeadamente King Of Fighters XIV, e isso nota-se um bocado…grande. Começando pela jogabilidade, Samurai Shodown é um título diferente de todos os títulos de luta da SNK: os ataques normais são muito mais importantes do que os especiais, sendo que temos quatro tipos de ataque: Light Slash(LS), Medium Slash(MS), Heavy Slash(HS) e Kick(K). Se soubermos utilizar um HS devidamente, podemos retirar até 30% da vida do inimigo, o que tendo em conta que não temos grandes combinações à disposição, é um tipo de jogo mental muito diferente. Este é um tipo de jogo onde os pokes e footsies são Reis e Senhores. Apesar da jogabilidade ser “diferente”, se já estão habituados a jogos de luta, facilmente se ajustam ao “novo tipo” de combate. Mas temos também uma barra de RAGE, que existe desde o primeiro título lançado em 1993, que determina o podes dos nossos ataques em situações de aperto ou apenas para usar um ataque mais poderoso. Temos também clashes de espadas e lutas mano-a-mano, mas não devem acontecer muito regularmente.

Mas se a jogabilidade parece bem, os modos do jogo são uma completa desilusão. Temos um tutorial muito básico, onde aprendemos o mínimo dos mínimos, sem demonstrações nem timings. E se quiserem aprender combos das personagens, vão ter que treinar durante algum tempo e experimentar muito. Bem, tendo em conta que as combos neste jogo são menos importantes que nos jogos mais famosos do género, se tivesse um trial com as combos todas, a parte engraçada de descobrir o que funciona com o quê do jogo já tinha sido descobrido totalmente, e assim perdia a piada. Mas para quem é novato neste género, isto não ajuda nada a que novos jogadores permaneçam agarrados ao jogo. Temos um modo Survival, Time Trial, Gauntlet, Online e Dojo, que irá prolongar muito a longevidade do jogo, pois o modo Gallery e o Story Mode são muito…escassos. E estou a ser meigo, porque ao vermos os modos de história mais recentes dos jogos de luta, este fica muito aquém do que se pretende num jogo deste, principalmente quando se está a falar de um período tão interessante como a era Tenmei.

Até mesmo alguns jogos em que a história é mais secundária ao que realmente interessa no jogo, contém substancialmente mais história do que Samurai Shodown. Existe um modo onde podemos lutar contra “jogadores online” mas offline. Basicamente, estamos a lutar contra os “fantasmas” de outros jogadores, o que é interessante, mas não é exactamente igual nem se parece com o CPU no modo mais difícil, por isso fica também um pouco aquém. Parte boa, é que pode ser melhorado durante o lançamento da Season Pass do jogo, e assim melhorar como a jogabilidade fica gravada. A longevidade do jogo está muito associada ao género, em que a parte de descobrir o jogo leva meses até estagnar, e depois é lançada uma nova actualização e que dá uma nova vida ao jogo e repete-se o ciclo. Tem sido assim com os jogos do género desde o SFIV, e não me parece que vá mudar muito. Para quem já anda nestas andanças há muito tempo, já conhece a progressão possível, mas para os jogadores mais casuais, o jogo podia render muito mais.

Os gráficos, apesar de não estarem ao mesmo nível que os de TEKKEN 7, desta vez houve um cuidado por parte da equipa de não cometer o mesmo erro que aconteceu com KOFXIV, que tinha gráficos muito…peculiares. Lembrando muito a época PS2. Assim sendo, os gráficos têm um estilo muito próprio, onde predomina o visual desenhado, lembrando um pouco até o Street Fighter IV com o seu tema de pincéis. Para dar mais um toque original, sempre que uma personagem realiza um Rage Explosion, o visual assemelha-se a filmes de samurais, em que apenas vemos o lutador que ganhou o duelo e o sangue a jorrar do adversário. Apesar de não ter o melhor visual, tem um visual minimamente original e único, o que o faz destacar dos demais. De notar também, que no final do combate, se realizarmos uma técnica forte, as personagens podem ser desmembradas, dando uma maior realidade à época em que estamos situados no jogo, ou se usarmos uma técnica mais contida, apenas um jorrar de sangue enorme. Em relação à banda sonora está ao mesmo nível de sempre da SNK, músicas altamente tradicionais, misturados com rock e/ou metal. Se há algo em que a SNK não costuma desapontar, é a banda sonora e design de som.

Samurai Shodown caminha na faixa certa para renovar o título e chamar mais fãs para a série e para o género, com a sua identidade muito fixa e apenas renovada para os tempos modernos. Mas se a jogabilidade e banda sonora são das parte melhores do jogo, existem partes que parece que ficaram no esquecimento dos produtores, ou simplesmente decidiram não elevar a fasquia, como é o caso do modo história, que é absolutamente esquecível e pouco interessante, para além de podermos ganhar experiência no jogo e/ou recompensas. Gostava mesmo de colocar uma nota mais alta para poder divulgar a verdadeira qualidade do jogo, a jogabilidade falaciosamente simples, mas a verdade é que existe uma falta de conteúdo no jogo. Pode ser que quando sair no PC e Nintendo Switch, o jogo estará mais completo.

 

█ F.S.

 

SAMURAI SHODOWN está disponível para a PlayStation®4 e Xbox One, e futuramente, na Nintendo Switch e PC. Para mais informações, visita o site oficial.

Do nada, a SNK anunciou recentemente um novo título Samurai Shodown, ou Samurai Spirits no território asiático, que pretende reiniciar a série. Ultimamente, apenas alguns títulos de jogos de luta têm rendido adequadamente, e apesar de Samurai Shodown ser um título conhecido por parte de alguns veteranos da NEO GEO,…

Samurai Shodown (2019)

Jogabilidade - 85%
Gráficos - 85%
Som/Banda Sonora - 90%
Longevidade - 70%

83%

Bom

Samurai Shodown caminha na faixa certa para renovar o título e chamar mais fãs para a série e para o género, com a sua identidade muito fixa e apenas renovada para os tempos modernos. Mas se a jogabilidade e banda sonora são das parte melhores do jogo, existem partes que parece que ficaram no esquecimento dos produtores, ou simplesmente decidiram não elevar a fasquia, como é o modo história, que é absolutamente esquecível e pouco interessante, para além de podermos ganhar experiência no jogo e/ou recompensas. Pode ser que quando sair no PC e Nintendo Switch, o jogo estará mais completo.

User Rating: Be the first one !
Filipe Silva
Aborrece-me:
Latest posts by Filipe Silva (see all)

One comment

1 Pings/Trackbacks for "Análise – Samurai Shodown (2019)"
  1. […] Tal como tem acontecido com as últimas Season Passes de Samurai Shodown, a última personagem fica reservada para uma colaboração com uma série conhecida. Desta vez, Guilty Gear, da Arc Systems Works, é a série convidada e, mais especificamente, Baiken como personagem da mesma. Podem ler a nossa análise do jogo. […]

Deixe um comentário

Segue-nos no Instagram

This error message is only visible to WordPress admins

Error: No posts found.

Make sure this account has posts available on instagram.com.

Junta-te a nós no facebook

Vídeo em destaque

30 minutos de Jogabilidade

MOSH BITAITES

Próximos Lançamentos